10 maio 2013

Copa do Mundo e World Games? Que Copa?


Minha perspectiva sobre o Legado da Copa (1)

Em pouco menos de 100 dias Cali na Colômbia receberá mais uma edição do World Games, competição internacional que reúne centenas de atletas de diversos países em modalidades não convencionais (para alguns) e que estão fora do quadro de modalidades olímpicas, tive em 2009 a oportunidade de participar pela primeira vez desta competição e pude constatar a sua dimensão e grandiosidade, tanto na estrutura quanto na mobilização que promove junto aos organizadores, participantes e cidade sede.



Pois bem, possivelmente tenha mais uma vez a oportunidade de contemplar estes jogos de perto, e por esta razão nos últimos dias tenho acompanhado os preparativos de equipes, países, e da cidade para receber os Jogos. Impressionante constatar a mobilização feita junto a população para promover o evento como uma atividade imprescindível para transformação cultural local em relação a pratica esportiva atrelada principalmente a qualidade de vida.

Nos últimos dias o Comitê Organizador do evento realizou uma série de eventos com atletas do país em diversos locais da cidade (shoppings, metrô, rua...), campanhas nas escolas públicas para divulgar o evento, atletas e proporcionar o contato destes com novas modalidades, através de oficinas esportivas, concursos de redação e desenho, existe um concurso que envolve a população premiando a residência que decorar o muro de sua casa de maneira mais criativa alusiva a temática dos jogos com televisores, bicicletas, etc. Uma tentativa de levar a população para dentro de uma atividade grandiosa e que se bem explorada pode sim trazer a curto prazo grandes benefícios a população.



Estamos também a poucos dias da Copa das Confederações, ensaio para um dos maiores eventos esportivos do planeta, a Copa FIFA 2014, moro a pouco minutos de um dos cenários grandiosos desse evento (Arena Castelão) e não consigo viver a Copa na perspectiva que a mídia e os responsáveis pela organização dos jogos preconizam, obras atrasadas, superfaturamento, pouquíssimo ou nenhum envolvimento da população. Não seria surpresa se alguém nas imediações do estádio do Castelão fosse indagado sobre a Copa e desconhecesse que em poucos dias milhares de admiradores do futebol do mundo inteiro estariam ali, pertinho deles, para usufruir de algo que talvez nem ele próprio como morador poderá fazê-lo.

Nas minhas aulas de educação física a poucos meses atrás utilizei a copa do mundo como pano de fundo para diversos conteúdos transversais e tentei explorar a temática como forma de contribuir com a riqueza e grandiosidade do evento ao tempo que utilizava um assunto de interesse dos alunos (imaginei que fosse) para facilitar o processo de aprendizagem, porem, em meio a dificuldade de manter meus alunos nas aulas, a disciplina da sala, o entendimento do que estava sendo, ou tentando ser assimilado, e tantas outras necessidades alheias ao universo dos muros de minha escola  e principalmente pela maneira egoísta, corrupta, interesseira, mercantilista e irresponsável que nossos governantes lidam com os jogos, pensei, para quê?



Questiono verdadeiramente o Legado deste evento, e por mais que possa parecer discurso de esquerda, a pouco tempo acreditem, pensava e trabalhava para o contrário. Penso que é muito difícil tapar o sol com a peneira quando dependemos de tantos outros aspectos para construir parte de nossos sonhos. Meus alunos conseguem ter mais identidade com o Bonde das Maravilhas, que parece saber o que é necessário para atrair, mobilizar, e captar adeptos para um estilo de dança e música que discriminado e taxado como marginal, parece também cativar e influenciar toda uma mídia que investe e acredita nelas como produto. Quem será que promove o Bonde das Maravilhas? Será que não teria interesse em promover a Copa do Mundo? Sei que a questão é bem mais complexa, e o exemplo é só uma tentativa de provocação, mas se todos lidam com o assunto de maneira tão simplista lá de cima, vou eu lidar da mesma forma aqui de baixo.

Tenham todos um excelente dia!!!


http://worldgames2013.com.co/

22 abril 2013

Fortaleza recebe Copa Nordeste de Seleções Cadete de Handebol


A Copa Nordeste de Seleções Cadete de Handebol começa nesta segunda-feira (22), no ginásio da UNIFOR - Universidade de Fortaleza (CE).  Sete equipes no masculino e sete no feminino disputam a competição, que será realizada até o dia 26, com atletas nascidos de 1997 e 2000.



Entre os homens, as Seleções do Maranhão, Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Norte compõem a chave A, enquanto Bahia, Ceará e Paraíba estão na B.

Pelo feminino, Ceará, Maranhão, Paraíba e Pernambuco integram o grupo A; Bahia, Piauí e Rio Grande do Norte estão na chave B. As equipes jogam todas contra todas dentro de seus grupos. Na quinta e sexta-feira serão os cruzamentos finais.

Confira as tabelas:
Fonte:

16 março 2013

HANDEBOL DE AREIA DO BRASIL DEFENDE HEGEMONIA NAS AMÉRICAS

HANDEBOL DE AREIA DO BRASIL DEFENDE HEGEMONIA NAS AMÉRICAS

A Seleção Brasileira de Handebol de Areia masculina está no Guarujá em São Paulo realizando até o dia 18 preparação para os Jogos Panamericanos de Beach Handball que se realizará na cidade de Mar Del Plata na Argentina de 21 a 24 deste mês.

Em pé: Djhandro, Gusmão, Cleiton, Gulliver, Danilo, Jordan, Diogo, Davi, Pedro, Marcos e Guerra
Agachados: João Paulo, Nailson, Diego, Jadson, Jarison, William, Felipe



Os atletas convocados para esta competição foram observados na Etapa Final do Circuito Brasileiro de Handebol de Areia pelo Técnico Guerra Peixe e Auxiliar Djhandro Ricardo, que aconteceu na cidade de Macaé no último dia 25 de fevereiro.

Esta competição é classificatória para o Wolrd Games em Cali – Colômbia no meio do ano e pelo fato do Brasil já ter vaga por ser o atual campeão mundial esta competição torna-se preparação para a mesma. Assim como também para os Jogos Sulamericanos de Praia na Venezuela em dezembro.

A definição do grupo final que viaja para esta competição sai ainda este final de semana.

Djhandro Ricardo